Tag

Arquivos cafés pelo mundo • Carneiro Alimentos

Cafés pelo Mundo: Países Nórdicos

By | Curiosidades

É mais que sabido que nós, brasileiros, somos um povo apaixonado por café. Também já vimos nesta nossa série que os norte-americanos são amantes da bebida, mas nada se compara ao consumo de café nos países Nórdicos: Finlândia, Noruega, Islândia, Dinamarca e Suécia.

Dos 6 maiores consumidores per capta (consumo por habitante) no mundo, 5 são os países citados acima! Para se ter uma ideia, enquanto aqui no Brasil o consumo per capta é de 5,8 Kg/habitante/ano, na Finlândia o consumo é de 12 kg/habitante/ano (na Noruega é de 9,9 kg, na Islândia é de 9 kg, Dinamarca de 8,7 kg e Suécia de 8,1 kg/habitante/ano).

Muito desse hábito de tomar café está associado às condições geográficas desses países: muito frio e inverno com pouca luz. Em janeiro, por exemplo, são pouco mais de três horas de sol por dia. Assim, o café ajuda as pessoas a se manterem aquecidas e acordadas mesmo com pouca luz natural.

Na Finlândia, a média de consumo são de 8 xícaras por dia, sendo o café consumido em praticamente todas as refeições. O hábito é parte da cultura finlandesa e recusar uma xícara de café quando oferecida é um ato bastante rude. A famosa pausa para um cafezinho no ambiente de trabalho é lei, literalmente (leis trabalhistas no país preveem dois intervalos de 15 min durante o expediente para isso). Os finlandeses também possuem palavras específicas para cada momento em que tomam café, por exemplo: “aamukahvi” é o café da manhã, “vaalikahvit” é o café tomado nos dias de eleição após a votação.

Já imaginaram se aqui no Brasil tomássemos tanto café assim?

E você, toma café como um finlandês ou como um brasileiro mesmo?

 

 

Fonte: https://super.abril.com.br/sociedade/qual-e-o-pais-que-mais-consome-cafe-no-mundo-dica-nao-e-o-brasil/

Cafés pelo Mundo: Os Cafés de Paris

By | Curiosidades

Se Constantinopla (atual Istambul), na Turquia, foi o berço das Casas de Café, Paris foi a cidade que consolidou o charme das cafeterias no Ocidente.

Quando um turista chega em Paris já percebe que os cafés fazem parte do cotidiano da cidade. Um parisiense normalmente começa seu dia num café, tomando a bebida com um croissant e lendo as notícias. Nos dias mais quentes, suas varandas ficam lotadas até tarde da noite, mostrando uma das mais caraterísticas imagens da Cidade Luz.

Essa história começa em meados do século XVII, quando o café a Paris (1669) e anos depois o italiano Francisco Procopio dei Coltelli criava o que se tornaria a primeira cafeteria parisiense: o Café Procope. Logo, o requintado lugar passou a abrigar escritores, poetas, atores e músicos. Rousseau, Diderot e Voltaire, entre outros, bebiam quantidades absurdas de café no Procope, que teve até o jovem Napoleão Bonaparte como cliente. Muitas outras cafeterias ganharam destaque na cena cultural e intelectual da cidade, como Aux Des Margots, Café de Flore e o Café de la Paix, visitado até mesmo pela realeza.

Em casa, os franceses costumavam a servir o café com baguete e era comum mergulhar esse pão na bebida. Provavelmente, foram os primeiros a tomar o café com leite – o famoso “café au lait” – e a servir o café após o jantar em pequenas xícaras com um pouco de licor para ajudar na digestão.

Em meados da década de 1850, após grandes transformações históricas (Revolução Francesa, ascensão e a queda de Napoleão etc.), o público dos cafés começava a se tornar mais diverso com a admissão de cavalheiros de ascendência menos nobre, assim como algumas pouquíssimas mulheres. Na virada para o XX, Paris – que já colecionava algumas centenas de cafés – vivia o auge do período de euforia conhecido como Belle Epoque e acolhia um número cada vez maior de imigrantes e de artistas de todos os matizes, atraídos pela aura inspiradora da cidade.

Ao longo do século XX, muito se discutiu, produziu e se testemunhou à mesa dos cafés parisienses: artistas, intelectuais, filósofos, escritores, mecenas, homens de destaque e pessoas comuns ali compartilharam com angústia as notícias da 1ª e 2ª Guerra Mundial.

E foi assim que ao longo dos séculos, o café foi sendo convertido em um verdadeiro personagem da história francesa: mais do que um lugar de memória, de convívio e de socialização, o café foi testemunha de um processo histórico diversificado, onde viveu-se, escreveu-se e ainda se escreve a História.

 

Fontes: BANKS, M.; McFADDEN, C.; ATKINSON, C.  The World Encyclopedia of Coffee.  London: Annes Publishing Limited, 1999  256p.

Conexão Paris